Páginas
Facebook
Categorias:

Sonhar, por que não?

Time por time, o Real Madrid é claramente superior. Elenco por elenco, mais ainda. A chance do Grêmio começa por respeitar seu primeiro adversário – lembra o Mazembe? –, prossegue pelo potencial agregador de Renato e pode, sim, culminar em campo frente ao clube mais rico do mundo, onde joga o melhor jogador do planeta. Como? Ora, a motivação do Tricolor será insuperável; já o adversário, em meio a dificuldades que enfrenta na Liga Espanhola, parece que estará cumprindo uma tarefa burocrática em Dubai. Azar dele.

Renato, o maior dos campeões

Claro que a direção tem méritos, soube conduzir o clube serenamente por entre os escombros da crise econômica brasileira, contratou, recontratou, fez vendas necessárias, emprestou jogadores excedentes, enfim, administrou. E também venceu. O grupo, unido e fisicamente bem preparado, foi grande nos gramados da América. O título da Libertadores é de todos, mas ninguém é mais campeão do que Renato. No começo a maioria dos torcedores e dos jornalistas – me incluo nessa – o considerava apenas um motivador. Hoje, todos o reconhecem como expert em futebol.

A gangorra desabou

A figura do brinquedo, ao que consta criada por Lauro Quadros, encontra-se em completo desnível: o Grêmio leva a Liberta, o Inter é vice da série B. Pois bem: diante de tantos obstáculos, sendo o mais alto a penúria financeira, cabe aos colorados ter em mente que o elenco não serve para a série A. Cair não cai mais, mas ser apenas figurante no próximo Brasileiro não seria papel para a grandeza do clube. Um: se reforça. Dois: tem paciência com o novel treinador. Três: traça uma meta factível – por exemplo, entrar na Libertadores de 2019. Quarta: atinge a meta. E era isso.

Uma selfie valorizadíssima

Em janeiro do ano passado calhou de estarmos em Orlando durante a Florida Cup. Quando o Pedro, então com seis anos, soube que o ídolo Tite e o Corinthians estavam a 20 minutos do nosso condomínio, obrigou-nos a assistir a um treino. O elenco era divido por grupos, o Professor Mauri treinava os goleiros, o auxiliar Fábio a defesa, Tite fazia o resto. Ao final, quem não subiu para o hotel em carrinhos elétricos foi caminhando. Como nós, Cléber Xavier e Fábio. Eles venceram uma cerca de arame farpado, gentilmente a abriram para nós e aí o Pedro lhes pediu uma selfie.

Um fenômeno da nova geração

“Mas eu não sou o Mahseredjian, sou outro Fábio”, preveniu o auxiliar, imaginando um engano daquele menino que hoje, orgulhoso, exibe a foto com Carille. No Paulistão de 2017 seu time era considerado a quarta força. Venceu todos os clássicos e foi campeão. Iniciou o Brasileiro projetando modesta vaga na Libertadores e já na 35ª rodada chegou ao título – mérito, em grande parte, do estudioso e humilde Fábio Carille. É um fenômeno, iniciando a caminhada rumo ao patamar em que habita o grande Tite, um de seus mestres.

Deixe uma resposta para % s

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *